Back to Histórias Road

Ser um ciclista australiano num mundo europeu.

01 Julho 2020

Todos os meses de janeiro, o World Tour de estrada vai para a Austrália antes de ir para a Europa, onde permanece os restantes 10 meses. Falámos com Lauren Kitchen, Shara Gillow e Brodie Chapman para saber o que significava para eles correr no seu país de origem.

Não importa quem somos, todos nós vivemos 12 meses, 52 semanas e 4 estações por ano, certo? Estes números nunca vão mudar, mas a maneira como os interpretamos pode variar de uma pessoa para a outra. Para os ciclistas profissionais australianos, têm um significado totalmente diferente. 95% das corridas de ciclismo do calendário acontecem na Europa, a mais de 20h de voo de distância, pelo que "casa" tem um significado diferente para eles e apenas passam alguns meses no seu país (novembro - fevereiro). Atravessam 2 verões por ano, estão longe da família e são obrigados a adaptarem-se às diferentes culturas da Europa.

Ansiosos para aprender mais sobre este estilo de vida tão singular, pedimos à Brodie Chapman, Shara Gillow e à Lauren Kitchen par nos dizerem como é. Gentilmente aceitaram partilhar connosco as suas vidas e nós, obviamente, aprendemos imenso.

É difícl viajar para a Europa para passar lá 3/4 do ano completo?

Brodie: É difícil estar assim longe do meu país e obviamente que sinto falta da minha família e amigos. Acabas por não ter muito tempo para os ver e, muito menos para sair com eles. Quando os vês, tens pouco tempo para estar com eles e tentas contar as novidades em breves momentos e, essa é a parte difícil. Mas quando me mudei para a Europa, sabia que tinha que fazer com que me sentisse em casa imediatamente. Para mim, isso significava encontrar um alojamento próprio com o meu namorado.  Agora, fico ansiosa para voltar lá e passar algum tempo em Espanha. A palavra "casa" é um sentimento, são pessoas, uma sensação de algo familiar. Não precisa de ser um lugar específico, mas sim apenas onde te sentes confortável.

Shara: Tenho uma família grande cá na Austrália, 3 irmãos e 3 irmãs. Somos todos muito próximos. Durante 6 anos, tenho ido para a Europa todos o verões e estou sempre a usar Skype e Facetime. É muito difícil não os ver, mas acabas por estar focado mais nos treinos e corridas. Há momentos que sentes falta da cultura e do clima australiano, mas também adoro conhecer culturas diferentes em todo o mundo. Morei um ano na Holanda e agora moro na França.

Lauren: É difícil estar na Europa durante a grande maioria do ano. Quando era mais jovem, era mais fácil porque eu queria ir para a Europa. Agora, faço isso há mais de 10 anos. Ainda adoro fazê-lo, mas sinto mais falta da Austrália e de casa. Aprendi que preciso de ter tempo para mim e de levar um pouco de conforto australiano comigo e depois voltar à Austrália e aproveitar para recarregar as baterias para a próxima temporada.

O que é que sentes mais falta ao estar fora de casa?

Brodie: Quando estou na Europa sinto falta do clima tropical quente e húmido da Austrália. Cresci em Brisbane, onde faz muito calor o ano todo e tens tempestades incríveis no verão todas as tardes. Está muito quente e de repente tens uma tempestade fantástica. Já não assisto a uma dessas tempestadas há uns tempos. Sinto falta das tempestades, da cultura do café e da comida. A Austrália tem uma variedade enorme de alimentos, especialmente comida asiática e café realmente bom. Também sinto falta da cultura do ciclismo. Melbourne e Sydney têm uma cultura de ciclismo muito forte, onde independentemente do dia da semana tens sempre alguém com quem pedalar.

Shara: Eu adoro as praias. Moro a 25kms de Noosa Beach e Sunshine Coast e é incrível, daí sentir muita falta disso e da minha família também. Quando estou na Austrália, adoro ir nadar ou surfar para o oceano. As praias são uma grande parte do meu verão. Novembro e dezembro fazem parte de uma época fantástica, treinamos com muito bom tempo e logo depois, praia!

Lauren: Eu sou do interior da Austrália, não da cidade. Normalmente quando vou treinar apenas vejos uns dois carros, não mais do que isso, num trajecto de quase 50kms! Gosto de me sentir distante e isso é difícil de se sentir na Europa. Claro que também sinto falta da família e dos aspectos culturais. O simples tomar café de manhã é uma grande ocasião na Austrália e sinto alguma dificuldade em encontrar isso pela Europa. 

“O estilo de vida em Ozzie é muito característico, com muita vida "outdoor",e a cultura do café sempre presente. Neste momento estamos a lidar com muitos incêndios florestais.”

Lauren Kitchen

Qual é a sensação de regressar a casa?

Brodie: Sentimo-nos bem em estar de volta a casa. Normalmente encontro-me com a minha família e amigos mais próximos que já não vejo há algum tempo. Sabe bem regressar quando tens lugares que te são familiares. Gosto de passear pelos sítios do costume e esperar pelo logo verão.

Shara: Fico sempre excitada quando regresso a casa. Normalmente tenho muito pouco tempo para aproveitar fora da bicicleta, pelo que aproveito esse tempo para estar com a família e amigos. Sou abençoada por viver num lugar tropical tão incrível com praias incríveis. Parecem férias porque podes fazer um passeio de 5 horas com bom tempo e depois ir à praia. Também é muito especial porque a família está por perto ao mesmo tempo e eu recebo apoio dos meus amigos. Estar de volta a Ozzie é único e especial.

Lauren: Eu adoro regressar a casa, para minha família e para os meus pais. Tenho viajado para a Europa todos os anos desde que terminei o ensino médio, então só volto para minha cidade natal no verão. Há cerca de 2 anos atrás, os meus pais mudaram-se, então foi uma espécie de choque quando de repente voltei para casa e estava tudo diferente. Também foi muito empolgante, pois pude descobrir um novo lugar ao visitar os meus pais. É sempre bom voltar para casa, é tão revigorante mentalmente. A pré-temporada é muito diferente da Europa, eu posso pedalar lá fora com calor.

“Casa é um sentimento, pessoas ou sensação de algo familiar. Não tem que ser necessáriamente um lugar específico, mas sim onde te podes sentir confortável e bem.”

Brodie Chapman

Na sua opinião, qual é a coisa mais "clichê" sobre a Austrália?

Brodie: Os estrangeiros pensam sempre que existem aranhas em todo o lado. Não me lembro da última vez que vi uma cobra numa cidade. Algumas pessoas pensam que, assim que saírem do avião, vão pisar uma píton, mas não é bem verdade, têm que ir à floresta para ver esse tipo de vida selvagem.

Shara: De certeza que muitos estrangeiros acham que a Austrália fica muito longe. Acham que existem todos os tipos de cobras, tubarões, aranhas, crocodilos, quando saiem logo do avião. Temos alguns animais assustadores aqui, mas não é assim tão mau. Algumas pessoas perguntam-me até como é que conseguimos viver na Austrália, mas já estamos acostumados!

Lauren: Uma vez, vi coalas enquanto estava a treinar e enviei uma foto para alguns dos meus colegas de equipa e a resposta foi ‘Oh, eu quero acariciá-los e dar-lhes um grande abraço’. Algumas pessoas que moram do outro lado da rua dos meus pais passaram recentemente por uma cirurgia porque os coalas os atacaram e rasgaram os braços, e essas pessoas são médicas e enfermeiras, logo sabem como lidar com isso! Os estrangeiros acham que os coalas são fofinhos, mas eles são muito agressivos, com garras muito afiadas, são muito perigosos!

“Regressar a Ozzie é único e especial.”

Shara Gillow

O que é que faz com o seu tempo livre aqui na Austrália?

Brodie: No meu tempo livre, sou bastante práctico, só gosto de andar de bicicleta e de bicicleta de montanha. Passei muito tempo a andar de BTT no mato. Em Queensland, passei muito tempo a pedalar à noite porque fazia muito calor durante o dia. Era mais emocionante pedalar à noite nos trilhos. Também adoro ir à praia. Tenho muita sorte de ter morado em Sydney e existem praias fantásticas por lá. Também gosto muito de ir a cafés e nadar em piscinas naturais ... Estar na água é algo que podes fazer em qualquer lugar da Austrália.

Shara: Quando regresso aqui, passo muito tempo a conversar com a minha família e amigos entre os treinos. É o único período do ano em que posso ficar no mesmo lugar por várias semanas consecutivas sem ter que entrar num avião. É incrível e especial. Adoro surfar e ter tempo de praia com a família. Durante ps treinos, também faço natação e ginásio. Outubro e novembro são uma parte muito importante do ano, com muito treino cruzado, sessões de ginástica e natação, sessões de corrida e muitos quilômetros de bicicleta.

Lauren: Eu terminei recentemente um curso, então agora tenho mais de tempo livre do que antes. Vou a cafés e ajudo também os meus pais a arrumar as coisas na casa para onde se mudaram há pouco tempo... É assim que passo a maior parte do meu tempo livre no verão. São muitas as horas que passamos nos cafés a conversar com amigos e familiares.

Qual é o estilo de vida em Ozzie?

Brodie: O estilo de vida em Ozzie é a cultura do café, passar tempo ao ar livre e sair com os amigos. É tudo muito típico, mas também é muito verdadeiro! Acho que a razão pela qual as coisas se tornaram típicas é porque há um elemento de verdade nelas!

Shara: O estilo de vida em Ozzie é bem relaxado, os habitantes de Ozzie são muito descontraídos.

Lauren: O estilo de vida em Ozzie é um estilo de vida ao ar livre, uma cultura do café e uma cultura dinâmica. Neste momento, estamos a lidar com muitos incêndios florestais. É hábito por cá. Obrigado aos nossos 3 ciclistas de Ozzie pelo seu tempo!